Ser professor – essa missão impossível

Existe em Portugal um conjunto relativamente pequeno de profissões (vou abster-me de lhes chamar "corporações", ainda que se justificasse) com um desproporcionado espaço na agenda mediática, regra geral, pelos motivos errados - uma delas é a profissão de professor. Todos os arranques de ano lectivo temos o sórdido desfilar de lamentações, acusações e  análises ao que …

Continue a ler Ser professor – essa missão impossível

Anúncios

Portugueses que balhamedeus: Jorge Jesus

Este post inaugura uma série de cromos dedicada às personagens mais lamentáveis do cantinho lusitano. É um tipo da bola, poderiam ser 275 gajos da política, mas tendo em conta que sou portista e corro sérios riscos de o aturar no meu clube, é melhor deixar já escrito o que penso sobre a figurinha. Jesus …

Continue a ler Portugueses que balhamedeus: Jorge Jesus

Reality Distortion Field 2.0

O "caso das 35 horas para o funcionalismo público" e o seu "nulo impacto orçamental" é uma daquelas coisas que desafia a mais elementar das leis da lógica e, já agora, da matemática. Ao fim de meio ano de geringonça e habilidades negociais costistas, habituamo-nos a quase tudo ser possível, mesmo que contrarie o senso comum. …

Continue a ler Reality Distortion Field 2.0

A Educação, os privados e a missão

"Como na saúde ou a assistência aos idosos, a educação pública está sob a ameaça dos cortes e dos interesses das corporações – alguns legítimos, outros nem tanto. O Estado não deve desviar os seus recursos financeiros para o sector privado, mas se e só se em causa houver garantia que a escola pública é …

Continue a ler A Educação, os privados e a missão

O morto teve culpa

Alberto Gonçalves é um dos mais capazes colunistas portugueses. Todos os domingos, sem dó nem piedade, o seu sarcasmo e a sua ironia dão corpo a textos deliciosos. Concorde-se ou discorde-se, vale sempre a pena ler. O último, sobre o trabalho (?) da TVi a propósito do revolucionário papá das manas do Bloco de Esquerda …

Continue a ler O morto teve culpa